Todo mundo sabe o quanto os hormônios podem interferir na vida das mulheres. Eles são capazes de influenciar o comportamento e causar distúrbios do sono, ansiedade e em muitos casos, depressão.

Entenda como hormônios podem interferir na vida das mulheres

Todo mundo sabe o quanto os hormônios podem interferir na vida das mulheres. Eles são capazes de influenciar o comportamento e causar distúrbios do sono, ansiedade e em muitos casos, depressão.

A mulher, que vive sob o “comando” dos hormônios durante toda sua vida, passa por fases distintas orgânicas e emocionais durante o mês. Por causa da mudança de hábitos e rotinas, a mulher tende a “sofrer” mais por questões de constantes adaptações.

A médica endocrinologista, Juliana Garcia Dias, explica por que acontecem essas principais questões de forma recorrente. Confira!

TPM

“Poucas mulheres não se queixam da tensão pré-menstrual. Isso acontece por mudanças nos hormônios do ciclo ovulatório. Pois eles mexem com o corpo, causando mais retenção de líquido, mudança de temperatura corporal. Além da variação da serotonina, que pode causar irritabilidade, tristeza, nervosismo e até enxaqueca. É possível diminuir os sintomas com exercício físico, meditação e em alguns casos o uso de anticoncepcional”, explica Juliana.

Baixa Libido

Libido é o desejo sexual. As mudanças na libido têm diversas causas. “O estresse, excesso de trabalho, depressão, uso de antidepressivos, uso de alguns anti-hipertensivos e diuréticos. Além dos distúrbios hormonais relacionados à testosterona, prolactina, tireoide e cortisol. Não é indicado o uso de hormônios sem orientação do endocrinologista, principalmente dos derivados de testosterona, pois podem causar consequências graves”, alerta a médica.

Gordura localizada e celulite

Esse problema pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres, mas as mulheres sofrem mais pelos hormônios femininos, que levam o depósito de gordura subcutânea abdominal, flancos e bumbum. Além da genética de cada mulher, que tem grande influência nas taxas de hormônios. “Uma forma de driblar seria perder peso, praticar exercícios aeróbicos e de resistência muscular para tonificar os músculos e aumentar o metabolismo. Tratamentos estéticos com radiofrequência, ultrassom, congelamento de célula de gordura e até lipoaspiração podem ajudar em alguns casos”, afirma Juliana.

Ganho de massa muscular

Aumentar a massa muscular para as mulheres é bem mais difícil do que para os homens. Mas é importantíssimo ganho de massa magra para favorecer a manutenção de peso. De acordo com a especialista, “quanto mais massa magra temos, mais mantemos nosso metabolismo alto, além de prevenir problemas de osteoporose na menopausa.”

O ganho de massa muscular reduz a chance de flacidez e até de diabetes. “Não é recomendado o uso de hormônios para esse fim. Mas uma dieta com cota proteica individualizada, com exercício físico de resistência muscular (musculação ou pilates) e, em alguns casos, suplementos que ajudam na formação muscular, pode aumentar a massa muscular”, explica a médica.

Por natureza, as mulheres devem driblar toda a variação hormonal diária a cada mês para dar conta da vida profissional, pessoal e manter da melhor forma uma qualidade de vida mesmo com a influência dos hormônios.

No entanto, alteração de humor, libido, peso, menstruação, cabelo, unhas e acne podem ter algum fator hormonal e é importante procurar um endocrinologista para avaliar caso a caso.